jusbrasil.com.br
26 de Abril de 2017

Pesquisador conclui que mais da metade dos universitários brasileiros são analfabetos funcionais

Folha Política
Publicado por Folha Política
há 3 anos

Ontem à noite foi veiculada no DF/TV, 2ª Edição, da Rede Globo, uma reportagem sobre uma pesquisa conduzida pela Universidade Católica de Brasília, em que mais de 50% dos cerca de 800 universitários avaliados sofrem com o analfabetismo funcional, ou seja, não conseguem compreender o que leem.

A pesquisa avaliou o modo de estudar, o tempo de dedicação, características sócios-culturais e formação. A conclusão é que muitos universitários entram na faculdade sem ter o hábito de estudo, aprenderam o conteúdo de forma superficial, costumam decorar ao invés de entender e muitos são analfabetos funcionais.

Leia também: Educação: 75% dos brasileiros não sabem ler e escrever de modo minimamente satisfatório

Foram avaliados universitários de 6 cursos diferentes em 4 faculdades.

Com Maurício Gieseler

Portal Exame de Ordem

Folha Política
www.folhapolitica.org
Mídia abordando, de modo isento, política, sociedade, cultura e organização.
Disponível em: http://folhapolitica.jusbrasil.com.br/noticias/113329087/pesquisador-conclui-que-mais-da-metade-dos-universitarios-brasileiros-sao-analfabetos-funcionais

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Dislexia adquirida e dislexia do desenvolvimento: Ou seja, possuímos dois tipos de transtorno da linguagem o neurológico e o que é imposto pelo nosso sistema social.
Vou falar do transtorno que é imposto pelo nosso sistema, que cria estudantes neuróticos, e muitas vezes com outras disfunções. Segundo Oswald Ducrot e Tzvetan Todorov (1991) a dislexia se estabelece também em pessoas com os neuróticos e em outros transtornos psicológicos. O mesmo encontramos no DSM 4 CID 10 nos transtornos da aprendizagem (80). F81.0, Transtorno da Leitura; F81.2,Transtorno da Matemática; F81.8; Transtorno da Expressão Escrita; F81.9; Transtorno da Aprendizagem.
Transtornos da comunicação: F80.1, Transtorno da Linguagem Expressiva; F80.2 Transtorno Misto da Linguagem Receptivo-Expressiva; F80.0, Transtorno Fonológico; F98.5, Tartamudez (Gagueira); F80.9, Transtorno da Comunicação SOE. Jorge, 2011
As principais demandas no atendimento psicoterapêutico na clínica psicológica diante do transtorno de aprendizagem está relacionada a pouca familiaridade da personalidade do aluno com o seu meio e consequentemente a sua baixa auto estima. O presente, o passado e o futuro, formam um sistema, do qual denominamos consagração, que é o resultado da transcendência de um comportamento visto pela sua totalidade definindo assim uma personalidade. Toda consagração é colheita de pensamento, que foram capturadas ao longo da história de um cidadão e isso se tornou evidente devido a Constância seguida pela pessoa.
Então, Vygostsky (2007) relata uma espécie de consagração unificada mesmo entre a ação, o imaginário, o contexto histórico, a dinâmica social e comportamental de um sistema familiar e social, do qual todas as relações são capturadas pelo filho como uma esperança indutora nos caminhos das conquistas humana, seja ela na esfera emocional/afetiva ou na posição cognitiva/racionalização social, estruturas essas da comunicação que devem está interligada de alguma forma na dinâmica social de cada individuo através da captura da linguagem e do pensamento.
Nesse sentido “O BULLYING” é entendido como ameaça e muitas vezes ou sempre impomos a nossa “língua portuguesa” sem respeitar o contexto do outro, mas não praticamos BULLYING.
Enquanto isso no mundo da fala, da leitura, da escrita e da interpretação não existem erros e sim aprendizagem, Independente da nossa idade ou condição acadêmica somos seres capturadores de correntes de idéias e é por essas coletas dos signos que construirmos a cada momento nos nossos sistemas sensível e inteligível do qual apreendemos os fatos contextualizados estabelecido nas nossas atividades intelectuais, usada por todos no diaadia e que se expressa sobre a nossa visão do mundo. (VYGOSTSKY, 2007) Já Eco afirma que a "distinção entre textos literários e textos comuns, bem como a diferença entre textos enquanto imagens do mundo e o mundo natural como (segundo uma tradição venerável) um Grande Texto a ser decifrado" do qual é a junção dos textos e a contextualização de cada um em cada momento de sua vida, da minha e de todos. do livro de Eco interpretação e superinterpretação. Copyright ©. continuar lendo