jusbrasil.com.br
25 de Agosto de 2019
    Adicione tópicos

    Novo ministro da Ciência e Tecnologia é autor de projeto de lei contra as inovações tecnológicas

    Folha Política
    Publicado por Folha Política
    há 5 anos

    Nomeado ministro de Ciência e Tecnologia do segundo mandato do governo Dilma Rousseff, o comunista Aldo Rebelo propôs, em 1994, um projeto de lei que proíbe a adoção de qualquer inovação tecnológica nos órgãos públicos municipais, estaduais e federais.

    À época, o então deputado federal sugeriu ao Congresso Nacional a aprovação de um dispositivo que impedisse "a adoção, por qualquer órgão público da administração direta e indireta, nos níveis municipal, estadual e federal, de qualquer inovação tecnológica que seja poupadora de mão-de-obra, sem prévia comprovação (...) de que os benefícios sociais auferidos com a implantação suplantem o custo social do desemprego gerado".

    Leia também:

    Burocracia da Anvisa gera fila de até quatro anos para importar produtos e equipamentos médicos

    Projeto de lei de Vicentinho proíbe a compra de publicações estrangeiras

    Brasil pagou R$ 36 bilhões por caças que podem ser monitorados pela NSA

    Fracassa lançamento de satélite brasileiro de 15 milhões de dólares

    Para diretor de centro europeu nuclear, Brasil 'é um buraco negro'

    Indicação de Cid Gomes para Educação demonstra descaso de Dilma com o setor

    Novo ministro da Educação disse a professores que 'quem quer dinheiro deve procurar outra profissão'

    Para votar "Lei do Calote", aliados querem que Dilma defina os ministérios

    O tema consumiu tempo e recursos da Câmara por 11 anos e 1 mês, quando recebeu parecer contrário do relator da Comissão de Ciência e Tecnologia, o deputado Ariosto Holanda, do PSB - hoje ele figura no PROS, outra legenda lembrada pela presidente na reforma ministerial.

    O voto final destacou que a abolição de sistemas de informatização no funcionalismo público aumentaria a burocracia, prejudicando logicamente o bem-estar que Rebelo pretendia oferecer. Por fim, o documento acabou rejeitado por ter envelhecido e perdido "a sua razão de ser".

    Veja também:

    Portal Vox

    Editado por Folha Política

    Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)