jusbrasil.com.br
23 de Agosto de 2017

Lula forçou Petrobras a patrocinar escolas de samba do Rio

Folha Política
Publicado por Folha Política
há 3 anos

O nome de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras e um dos denunciados na operação Lava Jato da Polícia Federal, aparece novamente envolvido em outro caso de pagamento sem controle da petroleira. Segundo o jornal Valor Econômico, Costa teria dado 1 milhão de reais a cada uma das doze escolas de samba do carnaval do Rio de Janeiro em 2008 a pedido do então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O repasse, contudo, foi feito sem passar pelo controle de gastos da estatal e ainda gerou prejuízo milionário aos cofres da empresa. As informações foram reveladas pelo ex-gerente de Comunicação da área de Abastecimento da Petrobras, Geovane de Morais, à Comissão de Apuração de desvios na Comunicação do Abastecimento, entre 2008 e 2009.

Algumas denúncias sobre repasses não controlados de dinheiro feitos por Geovane em 2008 já saíram na mídia em 2014 em meio às apurações da Lava Jato, mas os detalhes sobre o patrocínio às escolas de samba a pedido de Lula só vieram à tona na reportagem do Jornal Valor Econômico desta segunda-feira. O jornal diz ter conseguido o depoimento na íntegra, com quatro horas de gravações, nas quais consta diversas vezes o nome do presidente Lula como a pessoa que determinou o patrocínio.

Veja também:

Jornalista desmente afirmação de que Brasil 'acertou' em financiar porto cubano: 'Quem ganha é Cingapura'

Lula ataca quem critica altos impostos no Brasil e defende elevada carga tributária; veja o vídeo

Lula diz que ser contra a Copa por falta de hospitais é 'um retrocesso enorme'; assista

'Nunca tive vergonha do que fiz', afirma Lula ao criticar manifestantes

Lula recebe parte de R$3 milhões por ano dos cofres públicos, R$300 mil por palestra, R$9 mil mensais em aposentadorias e R$13 mil mensais do PT

Dilma não é mais favorita e Lula vem assumindo papel de tutor da presidente, diz analista

Jornalista comenta, de forma polêmica, caso de coronel morto após denunciar Lula como mandante de homicídios

PT avalia que, mesmo que Lula substitua Dilma, pode perder as eleições

Cientista político diz que Lula age como chefe de facção sem caráter; assista ao vídeo

Lula gera polêmica ao dizer que é melhor ter cinema que igreja; assista

Vídeo mostra Lula rejeitando comida e destratando funcionários em avião; assista

Professor nordestino humilha Lula: 'Você não presta, você é um lixo'; assista ao vídeo

FHC chama Lula de mentiroso ao rebater acusações; assista

Geovane conta que o 'pedido' de Lula sobre o dinheiro a ser doado às escolas foi feito menos de um mês antes do carnaval de 2008. A área técnica da Petrobras respondeu, contudo, que não havia tempo necessário para responder ao pedido, fazer as licitações e o acompanhamento dos gastos. O assunto foi levado à Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto que, por sua vez, ordenou o repasse - "o presidente quer porque quer", contou Geovane.

"O presidente da Portela foi falar com os 11 outros presidentes (das escolas de samba do Rio) e pressionaram muito o Lula. E tinha a questão política e eleitoral do Sérgio Cabral. Eles pressionaram o Lula e ele foi obrigado a liberar", disse Geovane.

A área de Comunicação Institucional nem teria autorização para fazer patrocínios de carnaval. Assim, a solução foi alocar o dinheiro como "patrimônio imaterial do Brasil".

O valor total do patrocínio ultrapassou 12 milhões de reais porque houve gastos ainda com camarotes, contratados em última hora para as "ações de relacionamento" com autoridades e políticos, entre outras despesas que a Comissão encontrou na investigação. O gasto adicional com a organização de dois camarotes no carnaval - um para a Petrobras e outro para a Diretoria de Abastecimento, liderada por Paulo Roberto Costa - chegou a 4,7 milhões de reais.

Geovane também falou à Comissão, em depoimento de 13 de março de 2009, sobre outro assunto: fraudes em patrocínios envolvendo comunidades carentes no Rio, como a Rocinha.

Prejuízo - Em suas declarações, o ex-gerente de Comunicação também revelou que as ações de patrocínio levaram a um rombo de 58 milhões de reais pagos a serviços não prestados pela comunicação em 2008. Houve ainda, segundo o jornal, gastos de 44 milhões de reais com duplicatas e outros pagamento que a comissão investigadora não conseguiu identificar a quem foi.

Geovane afirma que, além de Paulo Roberto Costa, toda a alta direção da estatal participou daquele carnaval, inclusive a atual presidente da companhia, Graça Foster.

Em resposta, o Instituto Lula diz que a fiscalização de patrocínios cabe à Petrobras. Sérgio Gabriele, então presidente da Petrobras em 2008, respondeu que, na época, houve apuração interna dos desvios e o gerente foi demitido. Geovane foi demitido em 2009, mas permaneceu na Petrobras até agosto de 2013, porque a companhia considerou que ele estava de licença médica e apenas afastado do cargo.

Veja também:

Veja

Editado por Folha Política

Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)