jusbrasil.com.br
21 de Janeiro de 2018

Prioridade do novo mandato de Dilma, Educação sofre corte de R$ 7 bilhões

Folha Política
Publicado por Folha Política
há 3 anos

Alçada à condição de prioridade máxima do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, que escolheu o lema "Pátria educadora" para os próximos quatro anos, a educação foi o alvo mais importante da primeira rodada de corte de despesas de 2015.

Decreto presidencial editado nesta quinta (8) bloqueou, até a aprovação do Orçamento, um terço dos gastos administrativos dos 39 ministérios. O da Educação responderá pela maior parte do montante a ser economizado.

Em toda a Esplanada, a medida significará um corte mensal de R$ 1,9 bilhão ou, em termos anuais, R$ 22,7 bilhões, em despesas cotidianas como vigilância, limpeza, viagens, luz e compra de materiais.

Leia também:

Prefeitura de São Paulo pagará salário mínimo para travestis estudarem

Ministério da Educação é o mais afetado por corte de gastos

Pros afirma que Cid Gomes é 'escolha pessoal' de Dilma para Educação

País tem 1 ano para colocar na escola 2,9 milhões de crianças e adolescentes

Indicação de Cid Gomes para Educação demonstra descaso de Dilma com o setor

Novo ministro da Educação disse a professores que 'quem quer dinheiro deve procurar outra profissão'

Gestão Dilma atrasa verba destinada para escolas estaduais e municipais

Professor deveria ganhar R$ 9.500, diz Cristovam Buarque

Sacerdote gera polêmica ao dizer que a educação brasileira é feita para 'emburrecer' os alunos e formar 'imbecis'; veja

Vídeo mostra frade petista ameaçando cortar bolsas de estudo de estudantes pobres que não coletarem assinaturas para o PT

Tarefa escolar com os símbolos do PT causa revolta entre os pais

Esses gastos foram atingidos na mesma proporção em todos os ministérios. Mas, em valores absolutos, são maiores no MEC, em grande parte devido às universidades federais. Na pasta, o bloqueio chega a R$ 7 bilhões anuais.

Os números não são definitivos: depois que o projeto orçamentário for aprovado pelo Congresso e se tornar lei com a sanção de Dilma, os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento) anunciarão a programação completa de desembolsos para o ano.

Barbosa afirmou que os investimentos serão objeto de análise posterior, depois que o Orçamento de 2015 for aprovado pelo Congresso.

Ele classificou o corte de agora como uma "redução preventiva", motivada pelas incertezas sobre evolução da economia. "É adequado que comecemos o ano com redução preliminar, enquanto o Congresso não aprova o Orçamento", disse à jornalista Miriam Leitão, da GloboNews.

Procurado pela Folha, o Planalto não se manifestou. Já o Planejamento considerou que educação e saúde foram "preservadas", pois programas como a alimentação escolar e repasses para a rede hospitalar de Estados e municípios não foram atingidos.

A tesourada no MEC, porém, acendeu um alerta entre entidades de educação.

"O peso proporcional do orçamento não deve ser referência para o corte. A referência deve ser a prioridade do projeto nacional", disse Gustavo Balduíno, da Andifes, entidade que representa os reitores das universidades federais.

Para a presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), Helena Nader, o decreto "vai na contramão" do discurso do governo. "Apoio integralmente a necessidade de fazer ajuste. Mas fazer ajuste fiscal usando educação, ciência, tecnologia e inovação é dar tiro no pé."

Como proporção de suas verbas totais (incluindo pessoal e investimentos), o Ministério da Ciência e Tecnologia sofreu uma tesourada de 16,1%, a maior neste critério.

O corte total promovido pode não parecer grande em um Orçamento total de R$ 1,1 trilhão, sem contar os encargos da dívida pública. A medida, porém, é parte de uma ofensiva para recuperar a credibilidade da política fiscal.

Leia também:

Tarefa escolar com os símbolos do PT causa revolta entre os pais

ONG denuncia "dominação de esquerda" nas salas de aula

Das 6 mil creches e pré-escolas prometidas por Dilma, apenas 379 foram entregues

Auditoria aponta descontrole dos gastos públicos no Pronatec, vitrine de Dilma

Brasil fica de novo fora do 'top 200' de ranking das melhores universidades

Universidade do governo terá aulas de marxismo

Filósofo diz que jovens precisam fingir serem marxistas para terem bons resultados na escola ou faculdade

Educação brasileira fica entre 35 piores em ranking global

"Sem educação, Brasil será refém do Bolsa Família", diz Cristovam Buarque

Professor norte-americano dá sugestões para péssima educação em matemática do Brasil

O estado brasileiro que ficou em último lugar do mundo em matemática

Professor universitário afirma estar sofrendo perseguição política e pede exoneração da UERJ; leia a carta

Classe média tem que voltar para a escola pública, defende especialista

Depois de fechar 2014 com os piores resultados desde o Plano Real, lançado duas décadas antes, o governo petista promete neste ano uma poupança de R$ 66,3 bilhões --R$ 55,3 bilhões na União e o restante nos Estados e municípios-- para o abatimento da dívida pública.

Depois de três anos de metas descumpridas, o bloqueio de despesas foi antecipado desta vez. Para isso, a área econômica limitou os gastos mensais com custeio a um 18 avos do previsto para o ano.

Segundo nota do Planejamento, "essa medida se faz necessária frente às incertezas sobre a evolução da economia, o cenário fiscal e o calendário do Poder Legislativo, que só retomará suas atividades a partir de fevereiro".

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Infelizmente, nenhuma novidade.

Até hoje não vi um govenante que não se elegesse dizendo que colocaria a educação como prioridade. Também não vi nenhum que depois de eleito a colocasse de fato como tal. continuar lendo